Febre Amarela – Tudo o que você precisa saber para evitar.

A única forma para combater a doença é através da erradicação do mosquito e a vacinação das pessoas que vivem e que irão se deslocar para áreas endêmicas.

27/01/2017

O diagnóstico é feito em base aos sintomas do paciente e a exposição aos mosquitos. Por isso a importância de ficar atento aos sintomas e procurar ajuda médica para diagnóstico precoce, acompanhamento e vigilância epidemiológica.

O que é a Febre Amarela ?

É uma doença infecciosa febril aguda, causada pelo vírus do gênero Flavivirus. É transmitido ao homem por mosquitos infectados e não há transmissão direta de pessoa a pessoa.

Possui duas classificações:

Febre Amarela Silvestre

Quando é transmitida pelos mosquitos Haemagogus e Sabethes, em áreas silvestres

Febre Amarela Urbana

Quando é transmitida pelo mosquito Aedes Aegypti (o mesmo que transmite a Dengue, Zika e Chikungunya), presente em áreas urbanas.

Ciclo da Doença

O ciclo começa quando os mosquitos silvestres picam um primata (macaco) infectado. Este então transmite a doença ao humano, que ao ser picado por um mosquito urbano vai disseminar a enfermidade.

É interessante ressaltar que ambas as classificações possuem a mesma clínica, diferenciando-se apenas pelo mosquito que a transmite. É importante a diferenciação para estudos epidemiológicos.

Situação atual da Febre Amarela no Brasil

A Febre Amarela Silvestre é considerada endêmica no nosso país, e desde 1942 é considerada erradicada em áreas urbanas. Atualmente apresenta um surto de febre amarela silvestre no leste de Minas Gerais, com diversas mortes. De acordo, com dados do Ministério da Saúde, 2017 é o ano com mais mortes relacionadas a esta enfermidade.

As áreas de risco no Brasil incluem o Centro Oeste, o Norte, o Maranhão e a parte ocidental dos estados de Minas Gerais, Bahia, Paraná, São Paulo, Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Para ver a lista de municípios com recomendação para a vacinação clique no link.

Quais os sintomas da Febre amarela ?

O período entre o contato do vírus com o humano e a manifestação dos seus primeiros sintomas, chamado período de incubação, é de aproximadamente 3-6 dias, e a sua capacidade de transmitir o vírus para os mosquitos (período de viremia) é de até 7 dias após ter sido picada.

Recomendamos para você:  12 de Maio – Dia Internacional da Enfermagem

Na maioria dos casos a doença se manifesta de maneira leve e resolve-se de forma espontânea em 2-3 dias. As principais características da forma leve são:

. Febre alta súbita de 39-40 graus C
. Cefaleia
. Mialgias

No entanto, alguns pacientes apresentam uma forma moderada e além da síndrome febril apresentam icterícia (coloração amarelada da pele), sangramento leve e albuminúria no exame de urina.

Há ainda a forma grave da doença, podendo acometer 10 % dos infectados, manifestando-se após aproximadamente 24hs da melhora dos sintomas com febre alta, astenia, intensa cefaléia, mialgias, artralgias, dor abdominal, náuseas, vômitos, hepatomegalia e sinal de Faget (febre alta com frequência cardíaca baixa), chegando a letalidade 25-50% dos pacientes por choque, insuficiência hepática e comprometimento renal. Por esses últimos dados é tão importante combater e prevenir essa doença.

Como é feito o Diagnóstico ?

O diagnóstico é feito em base aos sintomas do paciente e a exposição aos mosquitos, por isso a importância de ficar atento à eles e procurar ajuda médica para diagnóstico precoce, acompanhamento e vigilância epidemiológica.

O laboratório do paciente é inespecífico, no hemograma apresenta-se com pancitopenia, aumento de produtos de degradação de fibrina, e um dado muito característico da doença é apresentar VHS aproximando-se de 0.

As provas de função também apresentam alterações, com aminotransferasas elevadas, bilirrubinas elevadas à custa da fração direta (2-10mg/dl) e prolongamento do tempo de protrombina.

No exame de urina apresentam albuminúria de 300 a 500 mg.

O diagnóstico de certeza da Febre Amarela é feito por métodos sorológicos, que detecta anticorpos a partir do quarto dia de doença.

Tratamento

Não existe um tratamento específico para combater o vírus da doença. O paciente deve permanecer em repouso e com administração de líquidos.

Recomendamos para você:  Atenção: fumar pode levar a câncer de bexiga e a infertilidade

A Febre Amarela é tratada de acordo aos sinais e sintomas que o paciente apresenta, utilizando antitérmicos e analgésicos para febre e dores respectivamente (aspirina é contraindicado por risco de sangramento), transfusão de sangue caso seja necessário e hemodiálise caso apresente insuficiência renal.

Casos graves devem ser conduzidos em unidade de terapia intensiva.

Como Prevenir  a Febre Amarela?

A única forma para combater a doença é através da erradicação do mosquito e a vacinação das pessoas que vivem e que irão se deslocar para áreas endêmicas. A vacina é o principal método preventivo contra a forma silvestre da doença, já que não há como controlar o Haemagogus e o Sabethes.

Para efetuar o controle do vetor são recomendadas diversas medidas de vigilância, entre elas:

  • realizar busca ativa de sintomáticos
  • alertar população
  • intensificar vigilância
  • ampliar o controle vetorial urbano – desobstruir as calhas do telhado, para não haver acúmulo de água, não deixar recipientes que possam acumular água expostos à chuva, manter sempre tampadas as caixas d’água, cisternas, barris e filtros, colocar os resíduos domiciliares em sacos plásticos fechados ou latões com tampa.

Orientações do Ministério da Saúde

Abaixo temos as orientações do Ministério da Saúde para a vacinação:

Indicação Esquema
Crianças de 6 – 9 meses de idade incompletos A vacina está indicada somente em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem inadiável para área de risco de contrair a doença.
Crianças de 9 meses até 4 anos 11 meses e 29 dias de idade Administrar 1 dose aos 9  meses de idade e 1  dose de reforço aos 4 anos de idade, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.
Pessoas a partir de 5 anos de idade,  que receberam uma dose da vacina antes de completar 5 anos de idade Administrar uma única dose de reforço, com intervalo mínimo de 30 dias entre as doses.
Pessoas a partir de 5 anos de idade, que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação Administrar a primeira dose da vacina e, 10 anos depois, 1 dose de reforço.
Pessoas a partir dos 5 anos de idade que receberam 2 doses da vacina Considerar vacinado. Não administrar nenhuma dose.
Pessoas com 60 anos e mais, que nunca foram vacinadas ou sem comprovante de vacinação  O médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação, levando em conta o risco da doença e o risco de eventos adversos nessa faixa etária ou decorrentes de comorbidades.
Gestantes, independentemente do estado vacinal A vacinação está contraindicada. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação.
Mulheres que estejam amamentando crianças com até 6 meses de idade, independentemente do estado vacinal A vacinação não está indicada, devendo ser adiada até a criança completar 6 meses de idade. Na impossibilidade de adiar a vacinação, como em situações de emergência epidemiológica, vigência de surtos, epidemias ou viagem para área de risco de contrair a doença, o médico deverá avaliar o benefício e o risco da vacinação. Em caso de mulheres que estejam amamentando e receberam a vacina, o aleitamento materno deve ser suspenso preferencialmente por 28 dias após a vacinação (com um mínimo de 15 dias).
Viajantes

 

Viagens internacionais: seguir as recomendações do Regulamento Sanitário Internacional (RSI).
Viagens para áreas com recomendação de vacina no Brasil: vacinar, pelo menos 10 dias antes da viagem, no caso de primeira vacinação. O prazo de 10 dias não se aplica no caso de revacinação.


Also published on Medium.

Segredos para uma vida longa Dr. Victor Sorrentino

Comentários

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

🌟Médica Clínica Geral 😷 Futura Dermatologista.

Atendimentos e agendamentos em Londrina:
Todos precisam cuidar da saúde e não buscar somente doenças!
#beleza #bemestar #saúde  #medicinapreventiva

Receba mais saúde por e-mail.