Você sabia? Celular na hora de dormir está ligado a depressão em adolescentes!

Estabelecer limites é importante para que uma ferramenta útil não se torne uma grande inimiga ao nosso bem estar

29/04/2018

O hábito de ficar no celular até altas horas da noite é comum entre os jovens, não é? E os motivos são vários, e a internet oferece diversas formas de entretenimento. Entretanto, de acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade de Murdoch, na Austrália, este hábito, além de desregular o relógio biológico de nosso corpo, pode prejudicar nossa saúde mental e sensação de bem estar. E este estudo, de longa duração, mostrou como o uso de celular a noite está relacionado a uma saúde mental fragilizada.

De acordo com Lynette Vernon, que conduziu a pesquisa, o número de adolescentes que mandam mensagens pelo celular durante as horas destinadas ao sono vêm aumentando a cada ano. Para ela, este aumento está conectado com uma crescente falta de descanso presente entre os adolescentes, o que causa um decréscimo na sensação de bem estar.

O estudo

O estudo durou mais de quatro anos, e nele, um grupo de 1.101 adolescentes com idades entre 13 e 16 anos, foram acompanhados durante o período escolar. Todos os adolescentes tinham hábitos noturnos com seus celulares, provocando um sono de menor qualidade.

Ao serem questionados sobre seus estados emocionais, relataram sensação de baixa autoestima, dificuldades de raciocínio e tendências depressivas. Estes sintomas influenciaram diretamente em seu rendimento escolar.

Um dado alarmante é que, no questionário, os próprios adolescentes afirmam que se sentem estressados, pois no momento em que a noite chega, eles são incapazes de se desconectarem de seus celulares.

O problema também é apontado por outros estudos, como um de menor escala, realizado por Elizabeth Englander, professora de psicologia na Universidade estadual de Bridgewater, em 2014. Ela acompanhou 642 adolescentes e o resultado do estudo foi que 80% dos adolescentes mantinham o hábito de mexer no celular a noite ao invés de dormir, perdendo até duas horas de sono diárias. Destes, 45% dos participantes disseram estar lutando contra a depressão.

Recomendamos para você:  Antidepressivos podem favorecer ou blindar o desenvolvimento de alzheimer?

O que fazer para evitar que isso ocorra?

O diálogo, além do estabelecimento de limites, é necessário. O rendimento das crianças e adolescentes em diversas áreas de suas vidas podem ser prejudicadas por este hábito, como mostra o estudo. Veja algumas dicas da psicóloga Marina Vasconcellos, para que você possa ajudar seus filhos a se desconectarem do celular a noite:

Desabilite as notificações

Sim, é importante desativar quaisquer sons que seu celular possa produzir, para que não ocorra a tentação de ver o que acontece na tela, desviando, assim, sua concentração do sono.

Compre um despertador

Utilizando um despertador tradicional para acordar no dia seguinte, e desligando o celular, você elimina, pouco a pouco, a conexão entre o uso de celular e a hora de dormir.

Não tenha medo de desligar

Não tenha receio de desligar o celular, seja para relaxar, ou para viajar em um final de semana. A maior parte dos seus problemas pode esperar até a segunda-feira. A fácil conexão entre as pessoas pode ser benéfica em casos de emergências, mas também pode ser prejudicial no momento em que lhe deixa prisioneiro de sua rotina.

Procure um especialista

Caso não consiga se desconectar do aparelho, e isto já esteja lhe causando mal estar e estresse, é sempre válido buscar ajuda de um especialista. A psicóloga ressalva: “Procure um profissional que esteja familiarizado com esse tipo de problema, evitando conselhos que envolvam a proibição da internet no celular. As conexões são cada vez mais necessárias, portanto, o cuidado deve focar em preservar sua rotina além da dependência dos aparelhos”, conclui.

Com informações MinhaVida.com

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

NOSSA MISSÃO:
Ser um sistema global de armazenamento de informações de saúde on-line, colaborativo, contemplando multifunções e cruzamento de dados, proporcionando o bem estar do ser humano através da segurança do histórico de saúde.

NOSSA VISÃO:
Tornar-se o sistema mundial de referência da informação da área da saúde até 2022, gerando dados relevantes e importantes para o ser humano.

NOSSOS VALORES:
Respeito, Igualdade, Confiança, Ética, Segurança, Qualidade de vida.

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.

Comentários