contato@raislife.com

Confira o que há de novo por aqui.

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Siga no instagram

Raislife

@raislifecom
Viva saudável em todos os sentidos da vida
Vida | Saúde | Negócios

Envie uma mensagem para o nosso WhatsApp para contato e parcerias.

cursos

Curta no face

Comer rápido aumenta o risco de AVC e doenças cardíacas

Você está sempre correndo? Come rápido demais? Atenção…

De acordo com um estudo recentemente divulgado pela American Heart Association, pessoas que comem rápido têm mais chances de desenvolver obesidade e outras doenças como a síndrome metabólica – conjunto de fatores que promovem doenças cardíacas, diabetes, além de aumentar o risco de Acidente Vascular Cerebral (AVC).

A síndrome metabólica acontece quando existe a combinação obesidade abdominal, alto nível de açúcar no sangue (em jejum), hipertensão arterial e alto índice de açúcar no sangue e/ou baixo colesterol HDL.

Atenção… pessoas que apresentam qualquer um dos sintomas podem ser vítimas em potencial.

O Estudo

A pesquisa durou cinco anos. Nela, foram coletadas informações sobre a síndrome com avaliação de 1083 pessoas, destes, 642 homens e 441 mulheres, na faixa dos 50 anos, que não apresentaram síndrome metabólica em 2008.

Os voluntários foram separados em três grupos, de acordo com a velocidade da alimentação: lenta, normal ou rápida.

Os resultados indicaram que as pessoas que se alimentavam rapidamente apresentavam 11,6% de chance de desenvolver a síndrome metabólica em comparação aos que comiam em uma velocidade normal e lenta, que apresentaram 6,5% e 2,3%, respectivamente.

O estudo também constatou que quanto mais rápido uma pessoa comia, mais peso, glicemia e circunferência abdominal ela apresentava.

A conclusão: quanto mais rápido se come, piores são as consequências!

Fonte: Catraca Livre

O que achou deste conteúdo?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Recomendamos para você:  Dia Mundial da Saúde Mental: metade dos casos de transtorno mental surge até os 14 anos, alerta OMS

comente o que achou do conteúdo

Compartilhe