Despersonalização: distúrbio que impede pessoas de sentir amor

Transtorno faz o mundo parecer surreal, estar sob um nevoeiro ou bidimensional.

Os portadores do transtorno de despersonalização se sentem desconectados de seu corpo e do mundo ao seu redor. O distúrbio mental faz o mundo parecer surreal, estar sob um nevoeiro ou bidimensional. E o problema, apesar de pouco conhecido, não é tão incomum: estima-se que afete uma a cada 100 pessoas, segundo estudos científicos.

“Relacionamentos que você sabe que valoriza profundamente perdem sua qualidade essencial”, explica a britânica Sarah (que não divulgou seu sobrenome), que sofre do transtorno de despersonalização;  “Você sabe que ama sua família, mas sabe disso apenas em termos acadêmicos – em vez de sentir (amor) do jeito normal.”

Sarah passou por três episódios crônicos do distúrbio, que se arrastaram por anos. O primeiro ocorreu enquanto era estudante universitária e estava sob o estresse das provas finais.

Acredita-se que o problema seja justamente uma espécie de mecanismo de defesa, ou seja, uma forma do corpo de se “desligar” da realidade para lidar com períodos de trauma ou ansiedade extrema.

“Era repentino. As coisas pareciam alienígenas ou ameaçadoras”, explica Sarah, que também sofria ataques de pânico durante os surtos. “E lugares muito familiares, como seu próprio apartamento, ficam parecendo sets de filmagem, e as suas coisas se parecem objetos cenográficos.

Em seu segundo surto de despersonalização, Sarah se sentiu fora de seu próprio corpo, como se o mundo estivesse em 2D, achatado . “Eu estava lendo, segurando o livro, e de repente minhas mãos pareciam uma foto de um par de mãos. Eu sentia uma espécie de separação entre o mundo físico e minha percepção sobre ele.”

Se não forem tratados, alguns pacientes acabam tendo de conviver com o problema durante a vida inteira. Sarah diz que já passou por “até 20 (especialistas) ao longo dos anos que não sabiam do que eu estava falando, entre enfermeiras psiquiátricas, clínicos gerais, terapeutas e orientadores psicológicos”.

Recomendamos para você:  Frango com batata doce: enjoou?

Pouco conhecido 

Apesar de ser reconhecida há décadas como transtorno e ter, segundo especialistas, incidência semelhante à de problemas como transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) e a esquizofrenia, a despersonalização permanece pouco difundida entre a comunidade médica.

A médica britânica Elaine Hunter, responsável pelo único centro de tratamento do transtorno de despersonalização no Reino Unido, diz que já viu a síndrome se desenvolver em adolescentes, que ficam apavorados ao se sentirem desconectados de seus corpos.

Uma de suas pacientes tinha 13 anos quando começou a apresentar os sintomas de despersonalização e ficou dois anos sem conseguir sair de casa – tinha no mínimo dez ataques de pânico por dia relacionados ao transtorno e era incapaz de reconhecer seus próprios pais.

Tratamento

O tratamento inclui sessões de terapia cognitiva comportamental e, em alguns casos, medicação.

A britânica Sarah diz ter notado uma “enorme diferença” em sua saúde mental após a terapia: “Antes da terapia, eu olhava para minhas mãos e partes do meu corpo e sentia como se não fossem meus. Olhava para o espelho e era como se eu estivesse vendo uma outra pessoa. Eu não conseguia comer, dormir. Agora, eu enfrento (episódios de) despersonalização, mas consigo lidar com eles rapidamente”, conta ela.

Com informações UOL

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

NOSSA MISSÃO:
Ser um sistema global de armazenamento de informações de saúde on-line, colaborativo, contemplando multifunções e cruzamento de dados, proporcionando o bem estar do ser humano através da segurança do histórico de saúde.

NOSSA VISÃO:
Tornar-se o sistema mundial de referência da informação da área da saúde até 2022, gerando dados relevantes e importantes para o ser humano.

NOSSOS VALORES:
Respeito, Igualdade, Confiança, Ética, Segurança, Qualidade de vida.

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.

Comentários