contato@raislife.com

Confira o que há de novo por aqui.

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors

Siga no instagram

Raislife

@raislifecom
Viva saudável em todos os sentidos da vida
Vida | Saúde | Negócios

Envie uma mensagem para o nosso WhatsApp para contato e parcerias.

cursos

Curta no face

Estudo com 120 mil pessoas bate o martelo: os antidepressivos funcionam

Os antidepressivos sempre estão pra lá e pra cá em discussão, não é? Sua eficácia é colocada em xeque, sempre com o mesmo motivo: o medo de que a indústria farmacêutica e médicos acabem prescrevendo os remédios em um nível muito maior do que o necessário…

Atualmente, segundo dados de 2017 da OMS, a depressão atinge cerca de 322 milhões de pessoas no mundo. De 2005 a 2015, o número de depressivos aumentou 18,4%. No Brasil, ela afeta 5,8% da população, totalizando 11,5 milhões de pessoas.

Um grande estudo liderado pela Universidade de Oxford, no Reino Unido, e publicado na revista científica The Lancet, confirma que os antidepressivos realmente funcionam! A pesquisa contou com a análise de 21 dos antidepressivos mais prescritos, e em torno de 120 mil pessoas.

A análise considerou uma droga “efetiva” apenas quando ela reduzia os sintomas da depressão em 50% ou mais.  Com oito semanas de estudo, todos os 21 antidepressivos analisados resultaram alcançando essa média, e se mostraram mais eficazes do que um placebo.

Os pesquisadores também observaram que algumas drogas apresentaram maior eficácia do que outras, como a agomelatina, a amitriptilina, a escitalopram, a mirtazapina, a paroxetina, a venlafaxina e a vortioxetina, que são vendidos sob diversos nomes comerciais.

A pesquisa recebeu uma crítica: a maioria dos 120 mil casos analisados é de depressão severa, e não leve ou moderada, contra a qual os medicamentos podem ser  menos eficazes.

Com informações Revista Super Interessante

O que achou deste conteúdo?
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
+1
0
Recomendamos para você:  Preocupação financeira aumenta risco de infarto em até 13 vezes, diz estudo!

comente o que achou do conteúdo

Compartilhe