Dieta DASH, rica em frutas e vegetais, é ligada a menor risco de depressão, diz estudo!

Na pesquisa, participantes que seguiam a dieta DASH tiveram 11% menos chances de desenvolver depressão..

03/03/2018

De acordo com um recente estudo realizado pela American Academy of Neurology, se você tem uma alimentação saudável, ou seja, rica em frutas, vegetais, e grãos integrais, por exemplo, você está correndo menos riscos de ter depressão. Sim..

Isso porque, conforme o estudo, publicado no periódico Circulation, da American Heart Association, os benefícios de uma dieta saudável vão além da saúde mental, além de um cérebro sadio.

A pesquisa, realizada durante por um período de 6 anos e cinco meses, com 964 adultos, mostrou que a dieta mediterrânea e a lacto-ovo-vegetariana, que inclui ovos e laticínios, mas exclui carne vermelha e peixes, são igualmente efetivas em reduzir os riscos de doenças do coração e infarto.

Todos os participantes tinham, em média, 81 anos. A pesquisa contou com questionários sobre dietas praticadas, com o objetivo de avaliar quais participantes aderiram a alguns tipos de dietas, como a mediterrânea e a DASH (rica em frutas, vegetais e grãos integrais, mas com baixas quantidades de alimentos com altos níveis de açúcar e gordura saturada). Além disso, também foram avaliados os sintomas de depressão nos voluntários durante o período dos testes.

Nos resultados, os participantes que haviam seguido a dieta DASH tiveram 11% menos chances de desenvolver depressão, quando comparados aos que não aderiam à dieta.

Laurel Cherian, uma das autoras do estudo afirmou que são necessários mais estudos: “ainda não sabemos quais os melhores componentes da dieta DASH para prevenir depressão e ajudar as pessoas a manterem seus cérebros saudáveis”.

A pesquisa também analisou, durante três meses, 107 pessoas com sobrepeso com idades entre 18 e 75 anos. Os participantes seguiram de forma randômica uma dieta vegetariana de baixa caloria, que incluía laticínios e ovos, e uma dieta mediterrânea também de baixa caloria.

Recomendamos para você:  Vamos começar a semana de forma saudável? Confira 9 alimentos que podem ser assados em vez de fritos!

Os pesquisadores observaram que após o experimento, ambas as dietas fizeram os participantes perderem cerca de 1,3 kg de gordura corporal, 1,8 kg de peso e diminuíram o IMC (Índice de Massa Corporal).

Entretanto, duas diferenças foram encontradas entre as dietas: a vegetariana foi mais eficaz na redução do colesterol “ruim”, o LDL, enquanto a mediterrânea resultou em maiores reduções nos triglicerídeos, que em altos níveis podem aumentar o risco de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral..

Ainda assim, “nosso estudo mostra que uma dieta lacto-ovo-vegetariana com baixo teor calórico pode ajudar os pacientes a reduzirem o risco de doenças cardiovasculares do mesmo modo que uma dieta mediterrânea com baixas calorias”, afirmou Francesco Sofi, autor do estudo, que concluiu dizendo que agora as pessoas têm mais de uma opção de dieta saudável para o coração.

Com informações Viva Bem – UOL

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

NOSSA MISSÃO:
Ser um sistema global de armazenamento de informações de saúde on-line, colaborativo, contemplando multifunções e cruzamento de dados, proporcionando o bem estar do ser humano através da segurança do histórico de saúde.

NOSSA VISÃO:
Tornar-se o sistema mundial de referência da informação da área da saúde até 2022, gerando dados relevantes e importantes para o ser humano.

NOSSOS VALORES:
Respeito, Igualdade, Confiança, Ética, Segurança, Qualidade de vida.

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.

Comentários