Seis mitos sobre emagrecimento que estão espalhados por aí

Para garantir o peso desejado, é preciso pensar em questões que vão além da comida, como exercício, sono, estresse, e outros!

No desejo de emagrecer, mudamos hábitos por conta própria, não é? Só que nem tudo que ouvimos falar é verdade – às vezes, até causam efeito contrário, e ajudam a ganhar peso. Elencamos ‘ditos’ populares que merecem mais atenção. Confira:

1. É preciso comer de três em três horas

É verdade que os argumentos sobre o fracionamento da alimentação são fortes. Primeiro, porque a digestão naturalmente queima calorias, então, não deixar a barriga vazia ajuda a manter esse processo a todo vapor. Além disso, não estar famintos para as refeições principais, resulta em pratos mais modestos.

Mas no nosso dia a dia nem sempre é assim. Em 2015, cientistas americanos conduziram uma revisão de 15 estudos que analisavam exatamente este impacto da comida de forma fracionada e sua relação com o emagrecimento. De todas as pesquisas, apenas um trabalho encontrou essa relação.

O fato é que o gasto calórico gerado com a digestão é pequeno. E realizar vários lanches intermediários pode fazer com que pessoas se alimentem mesmo sem fome. Acaba que tem gente que come mais do que antes da dieta.

Não é que comer de três em três horas é um absurdo. Só não deixe isso virar uma camisa de força engordativa e considere como os lanchinhos impactariam sua rotina. O essencial mesmo é entender o sinal da fome.

2. Para emagrecer, tem que cortar o carboidrato

Ninguém precisa abolir o carboidrato para conseguir perder peso. Na verdade, ele tem importância nesse caminho rumo ao emagrecimento.

Se não tiver carboidrato, o corpo acaba recorrendo a substratos energéticos formados a partir da degradação da massa muscular para a digestão. Aí o ponteiro da balança até cai, mas você está enxugando músculo e não a barriga, e isso é desvantajoso para quem deseja emagrecer, pois promove a queima de calorias. Com uma musculatura fraca, esse processo desacelera.

Recomendamos para você:  Você sabia? Obesidade altera sua noção de gosto das coisas, afirma estudo!

3. É sempre melhor investir em alimentos diet e light

Vamos recordar que em alimentos diet, um nutriente – geralmente o açúcar – é retirado totalmente da fórmula. Já o light tem uma diminuição de 25% de um de seus componentes, e muitos desses itens acabam levando gorduras em sua fórmula e às vezes acaba sendo mais calórico que o convencional.

Uma pesquisa da Universidade Federal de Santa Catarina já chegou a indicar que boa parte de produtos diet e light abusam do sódio, mineral cujo excesso faz a pressão subir. Então, sempre olhe o rótulo e compare os alimentos.

4. Arroz com feijão engorda

Será que colocar arroz e feijão no prato todo dia já não beira o exagero? Pode acreditar, não.

Esta mistura está atrelada a diversos benefícios. Dentro de uma rotina alimentar variada e balanceada, pode aparecer no almoço e no jantar. Em termos de ingestão proteica, o arroz e o feijão se completam.

O feijão fornece várias fibras, e por conta disso, o carboidrato do arroz não faz a glicose disparar na circulação. Com isso, a sensação de barriga cheia dura mais tempo.

Se ainda está com dúvida, uma pesquisa realizada na Universidade Estadual do Rio de Janeiro mostra que quem incluiu a combinação mais famosa da nossa culinária na rotina consegue perder peso!

5. Corte frutas: elas carregam muito açúcar

Sim, a frutose – o açúcar da fruta – é a mesma molécula que adoça diversos produtos industrializados e constantemente é associada a um maior risco de obesidade. Entretanto, as frutas também esbanjam fibras.

De novo: estamos falando de substâncias que não deixam a glicose disparar no sangue. Se der para comer casca e bagaço, partes reconhecidamente ricas em fibras, melhor ainda. Com elas, os potenciais efeitos negativos da frutose são silenciados.

Recomendamos para você:  Dificuldades para manter o foco mental? 7 dicas para melhorar isso!

Para completar, apresentam substâncias com poder antioxidante, que ajudam a evitar inflamações decorrentes do excesso de açúcar e gordura corporal.

6. Para dar certo, a dieta tem que ser restritiva

Não vamos mentir: cardápios radicais nos fazem perder peso mesmo. E rápido. Mas estudos indicam que os quilos a menos são basicamente água e massa muscular. Ou seja, a gordura continua intacta.

Por mais estranho que pareça, aqueles momentos de indulgência – representados por aquele delicioso depois do almoço ou aquela cervejinha no final de semana – podem dar um gás no emagrecimento!!

Ora, permitir-se a esses momentos de prazer facilita a adesão a um estilo de vida equilibrado. Pois, para garantir o peso desejado, é preciso pensar em questões que vão além da comida, como exercício, sono, estresse, e etc…

Com informações Revista Super Interessante

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

NOSSA MISSÃO:
Ser um sistema global de armazenamento de informações de saúde on-line, colaborativo, contemplando multifunções e cruzamento de dados, proporcionando o bem estar do ser humano através da segurança do histórico de saúde.

NOSSA VISÃO:
Tornar-se o sistema mundial de referência da informação da área da saúde até 2022, gerando dados relevantes e importantes para o ser humano.

NOSSOS VALORES:
Respeito, Igualdade, Confiança, Ética, Segurança, Qualidade de vida.

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.

Comentários