Novo dispositivo implantado no cérebro pode impedir convulsões, diz estudo!

A descoberta ainda pode ajudar a reduzir os efeitos colaterais do tratamento

Resultados promissores: é o que se espera do novo dispositivo eletrônico criado por pesquisadores da University of Cambridge, École Nationale Supérieure des Mines e do INSERM (Institut National de la Santé et de la Recherche Médicale), na França. O dispositivo pode ser capaz de detectar e até impedir convulsões, em especial em pacientes com epilepsia. A descoberta foi publicada no periódico Science Advances.

Apesar de existirem diferentes tipos de convulsões, na maioria dos pacientes com epilepsia o que acontece é que os neurônios começam a disparar sinais e ao mesmo tempo sinalizam o mesmo para os neurônios vizinhos, ocorrendo um “efeito de bola de neve” que pode afetar a consciência e o controle motor.

Geralmente, a doença é tratada com drogas antiepilépticas, mas elas podem provocar sérios efeitos colaterais, e além disso não previnem convulsões em três de cada dez pacientes.

A pesquisa

Implantado no cérebro de ratos para testes, ao detectar os sinais de convulsão, o dispositivo liberou uma substância química natural do cérebro, o que impediu a crise.

No estudo, os pesquisadores usaram o neurotransmissor como o “freio”, ao invés do que geralmente ocorre, sinalizando assim para os neurônios pararem de disparar.

Quando os eletrodos detectam um sinal de uma convulsão, a bomba de íons é ativada, criando um campo elétrico que movimenta o remédio através de uma membrana de troca iônica e sai do dispositivo, um processo conhecido como eletroforese.

A substância então é liberada e administrada na região afetada do cérebro por uma sonda neural incorporando uma minúscula bomba de íons e eletrodos para monitorar a atividade do cérebro, e a quantidade da substância pode ser controlada ajustando a força do campo elétrico.

Promissora, não?!

E tem mais: com o estudo, os pesquisadores encontraram evidências de que o remédio, que é um neurotransmissor natural do corpo, que foi absorvido por processos orgânicos no cérebro em minutos, pode ajudar a reduzir os efeitos colaterais do tratamento.

Recomendamos para você:  Quer estimular e manter seu cérebro saudável? Veja 11 dicas de um cientista!

A descoberta ainda passará por muitos estudos. Nas próximas fases, os cientistas pretendem estudar os efeitos do dispositivo a longo prazo.

Com informações VivaBem – UOL

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

NOSSA MISSÃO:
Ser um sistema global de armazenamento de informações de saúde on-line, colaborativo, contemplando multifunções e cruzamento de dados, proporcionando o bem estar do ser humano através da segurança do histórico de saúde.

NOSSA VISÃO:
Tornar-se o sistema mundial de referência da informação da área da saúde até 2022, gerando dados relevantes e importantes para o ser humano.

NOSSOS VALORES:
Respeito, Igualdade, Confiança, Ética, Segurança, Qualidade de vida.

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.

Comentários