11 de Outubro: Dia Mundial de Prevenção da obesidade 

Em 2025 estima-se que 700 milhões de pessoas no mundo estejam com obesidade.

No dia 11 de outubro é comemorado o Dia Nacional de Prevenção da Obesidade. A data foi criada pela Federação Latino-Americana de Obesidade e reconhecida pelo Governo Federal e instituída no Brasil apenas em 1999, na época, com o nome de Dia Nacional de Combate à Obesidade. O objetivo do dia é conscientizar sobre o combate e a prevenção deste problema que vem adquirindo proporções epidêmicas, pois a obesidade é uma doença que vem crescendo muito nos últimos anos.

Em 2025 estima-se que 700 milhões de pessoas no mundo estejam com obesidade. A obesidade é uma patologia crônica, grave, recorrente e progressiva, e que aumenta tremendamente o risco de morbi-mortalidade de quem a possui.

Uma pesquisa realizada no Brasil pela Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) do Ministério da Saúde, constatou que a obesidade no país cresceu 60% em um período de dez anos, passando de 11,8% em 2006 para 18,9% em 2016.

Em Curitiba, mais da metade da população (54,2%) está acima do peso segundo a mesma pesquisa, que aponta ainda um percentual de 18,9% de obesos na cidade. Os números contribuem para o aumento na prevalência da diabetes e problemas cardíacos, doenças crônicas associadas à obesidade.

No Paraná, em vista desses dados alarmantes a SBEM-Regional Paraná (Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia) promove a Campanha da Obesidade 2017  – “Obesidade eu trato com respeito” que alerta contra os riscos que a obesidade pode trazer. A comemoração acontece hoje, 11 de outubro – Dia Mundial de Prevenção da Obesidade, na Boca Maldita, em Curitiba.

Outras ações também acontecem no estado, como no Hospital Universitário de Maringá (HUM), onde a celebração do Dia Nacional de Combate à Obesidade é promovida pela Lema em parceira com a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM-PR) e a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Síndrome Metabólica (ABESO).

Recomendamos para você:  Goji berry um super alimento?

Consequências 

A obesidade é conhecida como um acúmulo anormal ou excessivo de gordura corporal que , além de diminuir a qualidade de vida, representa um risco para a saúde, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). E quais são esses perigos?

A obesidade pode promover o aumento de doenças crônicas e metabólicas e de alta morbidade como por exemplo, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral, hipertensão arterial, diabetes do tipo 2, doenças hepáticas e vários tipos de câncer. Dados constatam aproximadamente 80 mil óbitos ao ano devido à obesidade e suas complicações, e segundo o Ministério da Saúde, a obesidade custa ao Sistema Único de Saúde (SUS) quase R$ 500 milhões por ano.

De acordo com professor de endocrinologia da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Wilson Eik Filho, mais da metade da população em geral sofre com o sobrepeso e mais de 18% desse número já são considerados obesos.

“Isso tem um impacto muito grande em relação ao risco de doenças relacionadas à obesidade. Por conta disso, este é um tema altamente relevante. A endocrinologia e a nutrição têm tentado fazer com que as pessoas resgatem hábitos saudáveis, em um nível mais científico e ético. E esse é um trabalho que não pode se pautar em falsas promessas e as equipes de saúde devem propor um tratamento adequado, que não é fácil, mas é mais ético e envolve profissionais da nutrição, endocrinologia, educadores físicos, fisioterapeutas, entre outros.”

Obesidade saudável: existe? mito ou verdade?

Ela é considerada uma doença inflamatória crônica, produz citocinas, que são proteínas que regulam o crescimento e atividade de células imunes responsáveis pela inflamação. Este estado eleva o risco de desenvolvimento de doenças debilitantes, como as citadas anteriormente.

Recomendamos para você:  Quer acelerar o metabolismo? Receita de tapioca de matchá promete! Veja:

Um estudo dinamarquês recente demonstrou que, mesmo indivíduos obesos e saudáveis metabolicamente (com HDL, triglicerídeos, glicemia e pressão normais) apresentam maior propensão ao desenvolvimento dessas patologias quando comparados com a população de peso normal e saudável. Isso seria consequência dessa reação inflamatória crônica provocada pela obesidade, que leva a um envelhecimento precoce das células.

Com o envelhecimento há uma diminuição da função física de todos os indivíduos. Porém, a população obesa e saudável mostrou uma piora da mesma e também apresentou mais dor corporal em comparação aos adultos com peso normal. A importância dessa constatação é que o exercício físico controla, de forma direta, os processos inflamatórios e a diminuição da realização dos mesmos elevaria o risco de doenças mais graves.

A conclusão a que se chega é que a obesidade, por si só, independente dos exames bioquímicos apresentados pelo indivíduo, é uma ameaça para o desenvolvimento de doenças que geram uma diminuição de qualidade de vida e aumento da mortalidade da população mundial. Portanto não existe obeso saudável. Essa condição pode mudar a qualquer momento, assim o excesso de peso corporal tem de ser evitado e tratado sempre.

Obesidade Infantil

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualmente, uma em cada três crianças no Brasil está acima do peso ideal para a idade e altura. “Existem diversas causas que levam ao sobrepeso infantil, alguns deles são: sedentarismo,  maus hábitos alimentares, influências de familiares e colegas de escola, além de alimentos industrializados que são de fácil preparo e os fast foods”, alerta a nutricionista do Hospital e Maternidade São Cristóvão, Carolina da Cruz Marques.

Divulgação Hapvida

Segundo ela, a obesidade infantil é causada pela combinação de fatores genéticos, má alimentação e sedentarismo. Também doenças hormonais e uso de medicamentos com corticoide podem aumentar o peso da criança. “Para reverter essa condição, é importante o incentivo dos pais que também devem ter uma alimentação saudável. Outros hábitos que podem ser influenciados pelos pais são as atividades físicas”, afirma ela.

Recomendamos para você:  Alimentos com impurezas tudo bem, mas rato pode?

A obesidade tem cura, mas precisa ser tratada. “Alguns casos mais radicais, se não tratados na infância com dieta e exercício físico, poderá na fase adulta ser necessário procedimentos cirúrgicos em que se diminui o tamanho do estômago para perder peso”, adverte a nutricionista.

A psicóloga Aline Melo afirma que a obesidade infantil também pode estar associada a distúrbios psicológicos, como a ansiedade, depressão, estresse, situações de traumas significativos, entre outros.

Portanto, para tratar a obesidade, além de acompanhamento médico e nutricional, é necessário cuidar da mente. “Devemos tentar compreender se há algum transtorno emocional presente na vida dessa criança e contribuindo para a obesidade, o que pode ser feito por meio da psicoterapia, do autoconhecimento e das reflexões geradas”, afirma a psicóloga

Com informações SBEM/PR, HUM, Terra e Bonde.


Also published on Medium.

Comentários

Para Você

As informações aqui fornecidas, não devem substituir o aconselhamento médico ou de qualquer outro profissional qualificado. Elas são de responsabilidade do seu autor e não se destinam a diagnosticar, tratar, curar ou prevenir qualquer doença. Procure sempre o aconselhamento de seu médico ou profissional da área de saúde para maiores esclarecimentos. Não interrompa o tratamento e/ou indicações médicas.

Somos um blog de informações sobre Saúde, Beleza e Vida Saudável. Nosso objetivo é promover informações relevantes em saúde para a população em geral ter uma melhor qualidade de vida. ❤ ❤
Para isso, temos uma produção própria de conteúdo e contamos com parceiros, profissionais de saúde empresas da área, produtoras de conteúdo. Caso você se identifique com nosso propósito, queira se tornar um parceiro do Raislife Blog,  ter um perfil profissional na nossa página e poder divulgar seus conteúdos de forma GRATUITA, entre em contato conosco pelo email contato@raislife.com. Vamos juntos promover saúde e qualidade de vida para todos. ❤ ❤ ❤ ❤

Ajude a Rais!

Contribua para que possamos continuar a promover uma vida saudável para cada vez mais pessoas.

Receba mais saúde por e-mail.